Terminal rodoferroviário de 63 milhões em Famalicão começará a funcionar em 2022


O terminal rodoferroviário que a Medway vai construir em Lousado, Famalicão, significará um investimento de 63 milhões de euros e deverá estar operacional em 2022, anunciou hoje aquele operador logístico.

Em comunicado, a Medway refere que a Agência Portuguesa do Ambiente acaba de emitir a Declaração de Impacte Ambiental favorável ao projeto, aguardando agora a aprovação da Câmara de Famalicão do projeto de execução proposto, para iniciar os trabalhos de construção.

“Estamos esperançados em poder começar as obras no início do terceiro trimestre, para podermos ter o terminal operacional em 2022”, refere o presidente da Medway.

Citado no comunicado, Carlos Vasconcelos acrescenta que o projeto é de “extrema importância quer para a Medway, quer para a região, pois, quando estiver concluído, permitirá aumentar a competitividade da mesma e do transporte ferroviário, potenciando, assim, novos investimentos para a região a norte do Douro e para o concelho de Famalicão”.

O mesmo responsável diz esperar que a recente decisão de encerramento do Complexo Ferroviário da Bobadela “não venha a comprometer este projeto.

Inicialmente anunciado como um investimento de 35 milhões de euros, o terminal de Lousado implicará agora um investimento de 63 milhões, devido a “diversos melhoramentos” que foram sendo introduzidos desde que, em 2018, foi anunciado o projeto.

O terminal rodoferroviário que a Medway vai construir em Lousado, Famalicão, significará um investimento de 63 milhões de euros e deverá estar operacional em 2022, anunciou hoje aquele operador logístico.

Em comunicado, a Medway refere que a Agência Portuguesa do Ambiente acaba de emitir a Declaração de Impacte Ambiental favorável ao projeto, aguardando agora a aprovação da Câmara de Famalicão do projeto de execução proposto, para iniciar os trabalhos de construção.

“Estamos esperançados em poder começar as obras no início do terceiro trimestre, para podermos ter o terminal operacional em 2022”, refere o presidente da Medway.

Citado no comunicado, Carlos Vasconcelos acrescenta que o projeto é de “extrema importância quer para a Medway, quer para a região, pois, quando estiver concluído, permitirá aumentar a competitividade da mesma e do transporte ferroviário, potenciando, assim, novos investimentos para a região a norte do Douro e para o concelho de Famalicão”.

O mesmo responsável diz esperar que a recente decisão de encerramento do Complexo Ferroviário da Bobadela “não venha a comprometer este projeto.

Inicialmente anunciado como um investimento de 35 milhões de euros, o terminal de Lousado implicará agora um investimento de 63 milhões, devido a “diversos melhoramentos” que foram sendo introduzidos desde que, em 2018, foi anunciado o projeto.

Em causa, segundo a Medway, um terminal “de última geração, equiparável aos terminais mais modernos do mundo”.

“Com ligação ferroviária direta, através da Linha do Minho, bem como com as acessibilidades rodoviárias através de diversas vias principais, este terminal irá potenciar a indústria exportadora local, facilitando a logística das suas mercadorias, contribuindo, desse modo, para a economia e o emprego da região”, sublinha a empresa no comunicado.

Com quatro linhas férreas de 750 metros, o terminal terá uma área de 220 mil metros quadrados e capacidade para 11.000 TEU (cada TEU equivale a cerca de 6,1 metros, o comprimento de um contentor-padrão de mercadorias).

O projeto inclui também ligação para contentores refrigerados, área reservada para mercadoria perigosa, espaços para armazenagem e serviços logísticos, parque seguro para camiões, oficinas e vigilância 24 horas.

A Medway detém 69 locomotivas (35 elétricas e 34 a diesel) e 2.917 vagões, assim como vários terminais logísticos e uma área de manutenção e reparação de equipamento ferroviário.

Faz parte da Medlog, um operador logístico com atividade em mais de 70 países.
 

Fonte: Jornal O Minho